MAR DE RESSACA

Direção de arte desenvolvida para o espetáculo
Mar de Ressaca, da Cia. Impele. Cenário e figurino foram inspirados pela tragédia acontecida na cidade Mineira de Mariana. O evento ocorreu em 2015,
quando duas barragens da mineradora Samarco se romperam, liberando dejetos como lama, rejeitos sólidos e água, detritos resultantes da mineração na região. O acontecido resultou na destruição de inúmeras residências e na esterilização dos ecossistemas atingidos.

As imagens que registraram a tragédia delatam os visível rastro de lama que foi deixado. As extensas manchas demarcam a imposição violenta da água sobre a paisagem após uma enchente avassaladora. Uma linha claramente definida sinaliza o que foi maculado pela lama e também o que escapou do
seu veneno.

A partir disso, como peça chave do cenário, um muro de madeira crua é demarcado por uma grande mancha preta que é carregada de uma série de significados: a violência da água, as cicatrizes do corpo e as vivências e traumas registrados pela memória. Apesar de presente e potente, a mancha não toma a parede por completo; o desastre deixa sua marca, mas a extensão clara da madeira revela a sobrevivência, apesar de tudo. A mancha se desprende da parede e toma forma de vestimenta no figurino: um jogo de claro e escuro que traz ritmo e movimento para as trajetórias percorridas pelos corpos dos dançarinos. As marcas pretas e brancas estabelecem uma relação direta dos corpos com a parede.

 

 

 

Art direction for Mar de Ressaca, a play created by the Impele Dance Company. The Scenography and costume design were inspired by the Mariana tragedy, when the disruption of two dams owned by the Samarco mining company led to the leak of a heavy and extremely toxic coat of mud. The result was the destruction of several homes and the sterilization of many ecosystems.

The images that captured the event register the visible mud trace that was left behind. The stains tell a story
of a violent imposition from the water towards the landscape after an overwhelming flood. A line clearly defined shows us what was maculated by the mud
and also what escaped from its poison.

From this, as a key scenography piece, a wooden wall was designed: a linear black stain divides it into two separate areas and represents the violence brought by the water, the scars left on human bodies by the time and experiences and traumas registered by the memory. In turn, the clear wood extension left reveals signs of survival after all. The graphic line is also brought to the costumes creating a strong light dark relation and bringing movement and rhythm to the dancers trajectory. The black and white stains create a direct relation between the wall and the performers.

 

 

 

2016

Desenvolvido em co-autoria
com o designer | In collaboration with
the designer EVEE ÁVILA

 

Direção | Direction:
MARCO ANDRÉ NUNES

Elenco | Cast
:
ALINE BERNARDI
ALEXANDRE MENDES
JÉSSICA BARBOSA
MARINA MAGALHÃES
PEDRO SÁ MORAES

Iluminação | Lighting:
RENATO MACHADO

 

Fotografia | Photography:
CAMILO LOBO